17 de jan de 2018

Coisas que me Irritam em uma Leitura

        Hello, folks... tudo numa nice?!
    Hoje eu decidi trazer um post sobre três coisas que desgosto em livros. Estava eu assistindo a um vídeo do Jesse The Reader que tocou exatamente nesse ponto: coisas que me irritam nos livros. Acho que todo mundo está careca de saber que há determinadas estórias que parecem pré fabricadas e que muitas vezes seguem uma linha que costuma irritar um leitor exigente ou já enfadado com alguns gêneros, e que, aliás, não fazem nada além de repetir e repetir e repetir e expor coisas manjas, é claro.
       Por isso tudo decidi fazer uma lista simples e básica de três coisas que me irritam em alguns livros. Há mais coisas, é claro, muito mais coisas que me incomodam, mas decidi ser razoável aqui.
Confiram as minhas opiniões e revirem os olhos comigo. :)
Triângulos amorosos
Já fiz um post aqui falando sobre como detesto triângulos amorosos. Sempre é a mesma coisa e as construções de relacionamento são fracas e no geral bem previsíveis e acabam me irritando profundamente. Se um triângulo for bem construído, eu leio e aprecio, como foi o caso de alguns raros livros por aí, mas eu geralmente não entendo triângulos e nem gosto deles.
Insta Love
Eu não sou romântica e não acredito em amor à primeira vista, muito menos quando os personagens se conhecem e depois de uma semana já estão: eu te amo. Acredito que para alguma pessoa falar uma coisa dessas é necessário tempo e um profundo e total conhecimento do outro. Não consigo me relacionar com algo como isso e nem acredito nesses romances muito rápidos demais.
Personagens perfeitos
Essa parte de descrever os personagens como lindos e perfeitos me deixa bastante irritada e descrente. Ninguém é perfeito e a beleza é definitivamente relativa, uma vez que todos somos pessoas e cada um tem seu gosto. Enfim, eu definitivamente não acredito quando as personagens começam a descrever como tal personagem é bonito e como está apaixonada por ele por causa disso e tudo o mais. Definitivamente não curto.

Então, folks, por hoje é só. Como falei acima, há outras coisas mais que acabam me irritando em uma leitura, mas por enquanto apenas essas valem. Contem nos comentários as coisas que irritam vocês em uma leitura?
XO XO

14 de jan de 2018

Resenha: Tartarugas até Lá Embaixo - John Green

Tartarugas Até Lá Embaixo | Autor: John Green | Ano: 2017 
Páginas: 256 | Editora: Intrínseca | Lido em: Janeiro de 2018
A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.
Quando Daisy - uma garota aficionada em Star Wars e que escreva um monte de fan-fics relacionadas ao tema - convence Aza Holmes a ir em busca de um bilionário que sumiu de repente, com a perspectiva de uma recompensa de 100.000 dólares, ela decide que é uma "boa ideia" se arriscar e embarca nessa aventura com a amiga. Tendo que lidar com o TOC todos os dias, Aza tem que tentar conciliar sua crescente afeição por Pickett e sua vontade de ficar boa.
O verdadeiro terror não é ter medo, é não ter escolha senão senti-lo.
    Bem, fiz uma explanação muito fubá da estória I'm sorry, mas acho que não é necessário falar muita coisa porque não acontece quase nada no livro. Mesmo com a premissa que na sinopse me soou instigante com pinta de algum tipo de aventura misturado a romance. Mas é isso mesmo. Não acontece nada. A obra não é exatamente sobre a busca de Aza por um bilionário em busca de dinheiro, não é sobre romance. É sobre TOC e como a protagonista lida com o problema ao longo do livro.
       Eu acho que não aprendo nunca. Não sei por que, já li vários livros do autor, não gostei de quase nenhum, mas ainda assim li esse livro novo dele. Acho que queria ver o que ele tinha aprontado nessa nova obra, sobretudo por que li várias resenhas positivas sobre ela e muito mais elogiosas do que para livros como ACEDE.
       Como dá para perceber, não gostei suficientemente da obra. Não sei se porque tinha expectativas ou coisas do tipo, mas acontece que achei o livro muito fraco, simplista apesar de realmente ter alguns pontos positivos, sobretudo por causa da abordagem do TOC e do final que foi crível. Ao fazer a leitura lembrei e percebei que não gosto da escrita do John Green, e acho muito fraca e nesse livro achei muito simplista, na verdade. As partes que deveriam carregar uma profundidade maior - um tipo de filosofia ou sei lá - não foram muito aprofundadas de modo que não causou comoção alguma em mim.
Eu sabia que era um ser desprezível. Sabia. Sabia e não via dúvida. Eu não estava possuída por um demônio. Eu era o demônio.
            O romance que ocorre ao longo do livro também não me convenceu, pareceu muito rápido e sem química alguma. Soou como se eles estivessem ali para um tipo de romance e pronto. Apenas tinha que acontecer.

          A única parte bem trabalhada no livro e que em alguns momentos me deu “agonia” e me fez reconhecer como algo que realmente acontece, pois já vivenciei algo parecido, foi como o TOC é retratado na estória. Aza passa por maus bocados e tem que conviver com os temores de sua mente conturbada que não para de forçá-la a tudo.
       Talvez esse seja o ponto alto do livro. Como falei acima ao fim você chega a conclusão que o enfoque é esse.
O problema dos finais felizes é que ou não são realmente felizes ou não são realmente finais, sabe?
    Enfim, eu não achei o livro isso tudo que estão falando e nem acho que seja o melhor dele. Nem foi tão comovente quanto ACEDE. Um ponto que preciso ressaltar: a Daisy é uma amiga péssima. Não entendi porque e como elas se tornaram amigas. Talvez o John quisesse apenas mostrar que uma garota metida a nerd poderia ser amiga de uma garota reclusa presa em sua cabeça quanto Aza. Não funcionou.
   No geral não foi uma leitura satisfatória para mim, mas quem adora o autor certamente vai gostar dessa obra.
NOTA: 2,5/5
Por hoje é só, folks.
XO XO

12 de jan de 2018

Decepções de 2017

Bem, como disse no post anterior, a lista dos livros que desgostei e que me decepcionaram durante esse ano é enorme vida a minha média de  notas no skoob, mas vou ser justa e selecionarei apenas seis obras que me desagradaram ou que foram ruins mesmo.
Ecos da Morte
Eu já fiz aqui uma resenha falando sobre como detestei esse livro e como ele é ruim, mal escrito, previsível e tudo o mais. Fico cansada só de lembrar de como é bem ruim.
A distância que nos separa
Também fiz uma resenha sobre esse livro e como a experiência de leitura foi horrível. Eu já havia lido outra obra dessa autora antes e gostado muito. Então a minha decepção com essa foi enorme. Além de ter sido uma leitura sofrível, as personagens, a construção da estória, a escrita, todo o conjunto foi muito ruim e não funcionou. Eu detestei o livro.
Memórias póstumas de Bras Cubas

Eu sou adepta de ler clássicos e no geral tenho gostado muito dos últimos que li. Mas esse eu odiei. Li vários contos de tio Machado que gostei muito, mas essa obra, desde o filme que eu havia assistido anos atrás, foi uma decepção. Um livro sofrível para eu terminar de ler. Talvez por que o personagem era tão horrível que não consegui me engajar na leitura.
Esqueça o amanhã
Esse livro é a típica distopia clichê que não traz nada novo. É sério. Esse livro apresenta a mesma receita de vários livros do gênero. Não gostei, foi muito previsível, a estória não me convenceu e soou mais como um romance do que qualquer outra coisa. Não faço nem ideia porque decidi ler esse livro. Talvez eu quisesse dar uma chance para o gênero.
Entre Mundos

Sinto-me mal por não ter gostado do livro de Neil, uma vez que tinha a perspectiva e o desejo de gostar da obra, mas não deu certo. Não consegui me conectar com a obra, o mundo do livro pareceu meio doido demais para mim e não consegui acompanhar os universos criados pelo autor.
O beijo traiçoeiro
Esse livro foi uma decepção. Gostei da escrita da autora, mesmo sendo bem lenta – o que pode incomodar muita gente que não curte descrição –, mas detestei como ela conduziu algumas coisas na estória. Além de que essa obra foi muito difícil para me situar, porque você só sabe quem é certo personagem lá para o meio da obra – ou seja é necessário passar por umas duzentas palavras para entender uma situação que é a maior parte da obra.
Pois é, folks. Então é isso! Quais são as decepções literárias de vocês?
XO XO

9 de jan de 2018

Melhores Leituras de 2017


   Helloo, folks... tudo numa nice?! Então, hoje eu decidi trazer o post das minhas melhores leituras de 2017 - que não foram muitas, infelizmente. A minha média de nota de livro no ano passado foi muito baixa, e li muitas obras que me desagradaram, mas pelo menos houve luz no fim do túnel. Confiram as minhas escolhas.
A Melodia Feroz
Acho que já falei um trilhão de vezes sobre como amei esse livro. A escrita da Victoria é simplesmente divina e os personagens me ganharam logo no início. A melodia feroz é uma estória profunda e dark que eu altamente recomendo.
Prisioneira da Inquisição
Esse foi o segundo melhor livro do ano para mim. Fiz uma resenha no ano passado – bem longa, por sinal – enfatizando a qualidade da escrita da autora tanto quanto a profundidade da obra. Eu adoro História Geral então esse livro foi um prato cheio para mim.
O Sobrinho do Mago
Eu assisti a todos os filmes possíveis da série do Lewis, mas nunca havia lido o livro apesar de ter a obra completa aqui em casa. Nunca me vi totalmente interessada talvez por ter lido aos livros. Mas então decidi ouvir ao audiobook para ver se meu interessava e acabei amando a estória. A escrita do C.S. Lewis é simplesmente primorosa e a narrativa transpõe o leitor para o mundo de Nárnia. As descrições dos lugares simplesmente me deixaram extasiada.
Jekyll and Hyde
Eu simplesmente amei esse livro. Magistral, bem desenvolvido, intrigante e intenso. Amei cada página. A maestria do autor em conduzir a obra me deixou perplexa e feliz com o desenvolvimento da estória.
Coração de Aço
Depois de ler uma fantasia de do Sanderson eu decidi ler um livro de ficção científica dele. Simplesmente tão grandioso quanto uma fantasia épica. Eu nem sei muito o que falar da estória, adorei cada coisa que aconteceu, a química entre as personagens, a construção do mundo, as batalhas e tudo o mais. Simplesmente awesome.
Crave a Marca
Ao contrário de muita gente que detestou esse livro, eu gostei muito da estória e aplaudo a Veronica por ter crescido tanto e aperfeiçoado sua maneira de narrar uma estória. Já havia lido Divergente e achado boa a leitura, mas Crave a Marca foi muito melhor. Muita gente disse que foi descritivo e lento, mas senti que essa obra era para ler dessa forma. Devagar, apreciando com cuidado o mundo que nos era apresentado. Só de lembrar sinto falta das personagens e estória.
Uma Tocha na Escuridão
Confesso que não achei esse segundo livro melhor do que o primeiro; não sei se foi o momento em que fiz a leitura ou coisa parecida que me fez gostar menos do que o antecessor, mas de todo modo eu gostei bastante da obra e apreciei o crescimento e a grandeza do livro.
O Ceifador
 
Apesar de eu não ter dado uma nota muito alta para esse livro eu adorei a construção desse mundo e as coisas que ele me fez questionar. A obra é muito boa e a construção do livro é muito interessante. Tive alguns problemas com o “romance”, mas de todo amei o desenvolvimento dos protagonistas e a adrenalina e tensão que a obra transpõe.

    Bem, pessoas, é isso. Essa é a ordem dos melhores livros que li nesse ano. Não quer dizer que todos acima receberam cinco estrelas, na verdade, apenas Melodia Feroz recebeu nota máxima. E melhor leitura não significa nota máxima, mas sim em detrimento a outras e livros que realmente apreciei. Sei que são poucos, mas isso tem a ver pela quantidade de livros que desgostei esse ano – a lista é muito maior. Não foi um ano muito produtivo nesse aspecto.
Então, já leram alguma dessas obras? Quais são suas melhores leituras de 2017?
XO XO

Alana Gabriela - créditos

Tema Base por Butlariz