20 de dez de 2016

Resenha: Elantris - Brandon Sanderson

   Helloo, folks... Tudo numa nice?!
Lembra da mini meta de dezembro que me incumbi de ler? Pois é. Até agora só consegui cumprir Elantris – que é um livro enorme. Li pouco até agora porque estou meio chatinha e procurando ler coisas mais sérias e adultas. Depois de terminar Elantris ontem fui ler Juntando os Pedaços da Jennifer Niven e tive que parar porque não estava curtindo a estória, estava ficando meio impaciente com os medos da personagem principal e a insegurança e blá blá blá. Estou pensando se estou de ressaca ou se meu gosto mudou  - porque jovem adulto era certamente o gênero que eu mais gostava e tinha decidido intercalar as leituras, mas ontem não deu certo.Vou voltar para a fantasia novamente e a meta de leitura.
    Enfim, vamos conversar sobre Elantris agora.

Título: Elantris | Autor: Brandon Sanderson | Ano: 2012
Páginas: 576 | Editora: Leya | Lido em: Dezembro de 2016 
O príncipe Raoden, de Arelon, foi um dos tocados pela maldição que o levou a viver, ou a tentar sobreviver, em meio à loucura e maldições da cidade caída que, desde a maldição, tornara-se um cemitério para os que foram amaldiçoados. Prestes a se casar com Sarene, filha do rei de um país vizinho de Arelon – uma mulher que nem chegou a conhecer pessoalmente, mas que, mesmo com um casamento politicamente forçado, passou a conviver por meio de cartas – o príncipe é dado como morto, uma situação que parece ser irremediável, mas que precisa de explicações. E são esses mesmos esclarecimentos que Sarene procura ao chegar em Arelon e descobrir que tornara-se viúva antes mesmo de conhecer seu marido. E a partir daí começa a entender que terá que tomar conta de tudo sozinha, principalmente de um homem chamado Hrathen, um dos mais poderosos nobres, que está disposto a substituir o rei Iadon, pai de Raoden, para poder converter o país à religião Shu Dereth.
Elantris, que intercala capítulos sobre Raoden, Sarene e Hrathen, é uma obra cheia de energia e histórias fantásticas que não permite que o leitor pense em outra coisa, senão, na cidade de Elantris e suas maldições.

   Acredito não ser capaz de mensurar todo o contexto e mundo desse livro. Acho que nunca li uma fantasia épica tão grande no estilo Tolkien e de vários autores consagrados desse gênero – quer dizer, tem as Mentiras de Locke Lamora, mas o mundo e aspecto é totalmente diferente. Descobri o Sanderson quando estava procurando novas obras de fantasia para ler e o descobri no goodreads por seguir num estilo de escrita que eu aprecio. Então eu fiquei em dúvida sobre qual livro deveria conferir: Mistborn ou Elantris. Como Elantris é um standalone grossinho e Mistorn é uma trilogia bem mais grossa, decidi começar por Elantris. *-*
    Eu li esse livro sem conferir a sinopse. Acreditem. Então não sabia bem o que encontrar na estória.
No primeiro capítulo nós já descobrimos que o príncipe Raoden foi tocado pela Shaod, por isso ele é lançado em Elantris para viver dentro dos muros da cidade amaldiçoado por toda a vida.
   Eu não vou explanar a estória porque é muito grande e a sinopse explana bem, além é claro, que eu não acho que consigo fazê-lo apropriadamente então vou somente comentar meus feels quanto a estória.
   Como eu disse não li a sinopse e não conhecia a questão “religiosa” que seria abordada no livro. Como esse é um livro high fantasy todo um novo mundo é criado junto com teologias e afins. Então quando o Hrathen chegou a Arelon para tentar converter o povo eu meio que fiquei com um pé atrás por causa de toda essa questão de imposição. No meu ponto de vista, é mesmo esse aspecto que o autor quis trazer: quando as pessoas tentam se impor as outras; além de toda a magia de um mundo fantástico quebrado que precisa ser concertado.
   O livro é em terceira pessoa e mostra o ponto de vista de três personagens principais: Hrathen, Sarene e Raoden. Cada um deles se envolve em questões políticas importantes que afetam o mundo onde vivem. Raoden é um elantrino importante que em Elantris começa a trabalhar na cidade para sustentar e ajudar o povo amaldiçoado que apenas sobrevive naquele lugar terrível. Sarene é a noiva de Raoden que acaba chegando em Arelon e descobre que seu noivo está “morto”. Como ela tem um contrato nupcial, é obrigada a estar casada com o morto. Sarene é uma mulher de personalidade forte, às vezes insegura por alguns fatores, como todo ser humano, mas geniosa e cheia de atitude. Ela não abaixa a cabeça por ser mulher, fala o que tem que ser dito, é muito hábil com a espada e faz o necessário para lutar pelo seu povo e pelo que acredita ser certo.
   Hrathen é o gyorn do Shu-Dereth. Ele não é um fanático, é um lógico seguidor de sua religião. Calculista, ele exerce sua função de gyorn em prol de seu jaddeth, na busca da conquista de Arelon, Teod e destruição de Elantris.
“Sou Galladon, do reino soberano de Duladel. E, mais recentemente, de Elantris, terra da podridão, da loucura e da perdição eterna. Prazer em conhecê-lo.”   
   Eu nunca li uma obra nessa linha, com o foco na economia, religião e monarquia. Livros com briga de poder já conferi e muitos, mas esse traz um diferencial em seu aspecto contextual. É um livro muito bom.
   Confesso que em alguns momentos a obra foi lenta – além de que eu estava escrevendo a minha própria estória - quando estava escrevendo, por isso demorei para terminar. Outro ponto é que eu achei o final meio apressado mesmo com tantas páginas.
    Acho que isso nunca aconteceu comigo antes lendo um livro de fantasia, mas eu chorei no final da estória. Me apeguei a um certo personagem e já sabe, né? Mortes everywhere. De qualquer forma, recomendo o livro para os amantes de fantasia  e quem quer conhecer o autor e tem preguiça de começar a trilogia Mistborn. Um standalone é sempre mais viável ahah. Eu vou deixar um pouco a fantasia de lado e conferir a obra de ficção cientifica lançada esse ano pela Aleph do mesmo autor - Coração de Aço.
Sei que não fiz uma resenha que faz jus ao livro, mas não sei realmente o que poderia falar ou explorar sem deixar a resenha com umas cinco páginas. Eu só posso dizer que a minha experiência com a leitura foi boa e diferente.
Por hoje é só, folks.
XO XO
Créditos da Imagem: It Geek Girls

15 comentários:

  1. Oi, Alana.
    Não sei se leria o livro nesse momento, mas que bom que foi uma leitura agradável.
    Beijo

    Te Conto Poesia ♥

    ResponderExcluir
  2. Oi. Não conhecia esse livro. Estou por fora de alguns livros da Leya. Mas parece ser muito interessante, e até que faz meu estilo de leitura. vou adicionar ao Skoob e tentar ler ano que vem.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Alana!
    Acho que fiquei bem interessada nessa obra quando você mostrou na sua mini meta de dezembro. Depois dessa resenha maravilhosa, só me resta adicionar na lista de leitura.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Natal Literário
    Participe da promoção de três anos de Um Oceano de Histórias
    Participe do Sorteio de Final de Ano

    ResponderExcluir
  4. Estou me aventurando no gênero fantasia, e ainda não tinha lido nada sobre esse, pela sua resenha já fiquei com vontade de ler, vou colocar ele nas leituras de 2017.
    PS: Se você chorou eu com certeza vou chorar.
    Beijos!!!

    http://follow-and-breath.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá, participo de um grupo de leitores de fantasia e Elantris sempre figura por lá, mas até então não havia prestado muita atenção nele. pela sua resenha, parece realmente uma fantasia épica super bem construída, quem sabe eu me anime para ler ele quando tiver mais tempo.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Alana.
    Eu li esse livro alguns anos atras e amei. E o melhor é que é livro único hehe. Mas a história criada pelo autor é fantástica. Mas quando fui ler Mistborn não me envolvi igual. Ainda quero ler os outros da trilogia, mas não gostei tanto quanto de Elantris.
    Feliz Natal!

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz Natal, Sil!! *-* Não sabia que você já tinha lido esse. Legal. Finalmente um livro que nós duas lemos ahaha. Eu quero ler Mistborn e espero gostar. *-*

      Excluir
  7. Oi, tudo bem?
    Não conhecia o autor, mas fiquei bem curiosa pois me lembrou alguns livros de fantasia que li que também se concentram em aspectos econômicos e políticos. Realmente é difícil fazer uma resenha quando o contexto do livro é denso é impossível expressar tudo que o livro passa. Enfim, mesmo com o livro tendo seus momentos de desenvolvimento de forma lenta, a leitura parece ser de fato boa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Alana!
    Acho que conseguiu fazer uma resenha concisa, passando todas as informações pra gente saber mais sobre o livro.
    Acho que deve ser uma leitura maravilhosa principalmente para quem é fã do gênero. Eu não sou muito fã de fantasia, mas confesso que ter umas questões políticas envolvidas, me deixou curiosa, pois é algo mais diferenciado do que costumamos ver.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Alana,

    Ainda não conhecia esse livro, mas pelo jeito é bom heim! Interessante abordar as perspectivas econômicas e religiosas... não é o tipo de livro que eu dou prioridade, até pq to meio saturadinha de fantasia acho que por uns bons dois anos, mas esse aí deu aquela coceirinha no dedo a ponto de me fazer pesquisar. Obrigada pela dica e resenha honesta, bom saber que apesar de bom tem partes cansativas. Vou ver se consigo encaixar nas leituras do proximo ano.
    bjs

    ResponderExcluir
  10. Achei a sinopse bem interessante, eu leria esse livro, mas não colocaria prioridade kk
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi Alana.

    Achei interessante a obra que você leu, pois não conhecia a obra e por ter mencionado que a obra tem um tema diferencial mostrando toda a magia de um mundo fantástico, eu fiquei com muita vontade de ler. Vou adicionar na minha lista de desejados.

    Bjos
    Histórias Existem Para Serem contadas

    ResponderExcluir
  12. Alana, fiquei meio indecisa aqui... Rs... Essa coisa de imposição da religião acho que ia me irritar horrores, mas respeito sua opinião e se você achou a leitura boa, apesar do final meio corrido mesmo o livro sendo extenso, vou anotar a dica. Mas recebi Coração de aço do Turista Literário, além de fantasia também gosto muito de ficção científica, então vou começar a conhecer o autor por ele. Se eu curtir, vou atrás desse.

    ResponderExcluir
  13. Alana, não conhecia o livro, mas fantasia sempre é uma boa pedida ainda mais quando é épica.
    O único problema que vejo é essa coisa meio lenta em algumas partes e que o final parece apressado, já li muito livro assim.
    Mesmo assim acho que daria uma chance ao livro.

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem? Então, a sinopse já me deixou bastante confusa porque tenho muitos problemas com o gênero fantasia, não consigo fazer as conexões, parece que são muitos elementos diferentes e acabo ficando perdida hahaha. Por conta disso, acho que esse é um livro que não leria, ainda mais sendo grandinho, provavelmente abandonaria a leitura :/


    ourbravenewblog.weebly.com

    ResponderExcluir

Alana Gabriela - créditos

Tema Base por Butlariz