24 de jan de 2017

Novidade: Uma Conversa Sobre Efeito Dominó

     Helloo, folks... tudo numa nice?
  O post de hoje é um semanário, mas também é uma novidade que gostaria de trazer para vocês, que, na verdade, já era para eu ter trazido há muito tempo – tipo, muito tempo mesmo. A preguiça alheia e a falta de tempo me impediram de escrever sobre isso, mas hoje a inspiração completa veio e eu decidi falar.
Vamos conferir uns dados primeiro:

Efeito Dominó - Parte I
As Primeiras Peças do Jogo
ISBN: B015OW4XRO
Ano: 2015
Páginas: 376
Idioma: português 
"É melhor ser enganado do que não confiar."
Um assassinato. Um caso sem suspeitos... Uma testemunha ocular misteriosa.
Após a morte de sua mãe, Helena, em um passeio à Saquarema, Cora se vê solitária e desestabilizada pela perda do pilar de sua vida. Reclusa, a garota se torna relapsa e instável. A relação com seu pai bem como com a maioria das pessoas a sua volta fica cada vez mais distante e frágil. Sua vida caótica vira do avesso quando presencia uma tentativa de homicídio que põe a vida de Lucas, seu amigo, em perigo. No processo, Cora é feita refém de um criminoso enigmático que está disposto a tudo para trazer à luz todos os segredos que rodeiam a morte de Helena. Ela só precisa decidir entrar no jogo.
Entre mentiras, assassinatos e segredos perigosos, Cora se vê num impasse pelo qual lado se aliar. Ela precisa decidir qual segredo é digno do silêncio e se estará pronta para desencadear o efeito dominó.

   Efeito Dominó não é um livro essencialmente policial como a sinopse insinua e como a maioria das pessoas deduz – tipo, nós não acompanhamos inspetores com afinco descobrindo um caso, sendo eles os protagonistas da estória como livros policiais normais, até porque, desde o início, na minha cabeça, a estória era muito maior do que algo policial e estava relacionada a um mundo clandestino desconhecido pelas pessoas. Não vou dizer nada sobre porque não quero estragar a surpresa ahaha.
   O texto do livro ficou bem maior do que eu esperava quando terminei de planejar, e por isso decidi dividir em duas partes, porque se não seria um livro extremamente grosso. Mas a obra só tem duas partes, gente. Não se preocupem, porque também não gosto de séries ou trilogias e não tenho o costume de fazer continuações eternas. Escrevi mais de dezessete livros e só Efeito Dominó, Os Segredos de Afternoon Fall e Nômade tem continuação, o resto é tudo livro único. Até mesmo os romances de fantasia que fiz são únicos.
   Tenho o costume de entregar o mínimo possível na minha sinopse e meio que enganar os leitores para que não descubram de cara nada da estória. Como já disse outras vezes, em algumas resenhas, eu gosto da surpresa. Na minha infância vivi rodeada de filmes policiais e de ação, sempre nessa linha. Então, como uma leitora já pontuou certa vez, Efeito Dominó parece e tem uma pegada cinematográfica. E na verdade tem mesmo, porque quando construí a estória (foi o primeiro livro que escrevi) e a minha mentalidade na época era bastante de filmes e stuff.
   Uma coisa que quero ressaltar sobre Efeito Dominó. O livro sofreu muitas, mas muitas alterações mesmo. Acredito que esse foi o livro que mais reescrevi e corrigi a ponto de eu ficar irritada e cansada da estória. Em 2013, quando comecei a desenvolver a estória, a premissa era completamente diferente do que é hoje. A priori eu iria escrever sobre um assassino em série que despejava os corpos de suas vítimas numa ilha, e depois de determinado evento que deu errado, uma pessoa perdida na tal ilha descobriria os corpos e a caça ao assassino em série se iniciaria.
   A ideia do livro era essa, e então comecei a fazer as anotações e pensar nos lugares onde a estória poderia se passar. Acabei escolhendo Willis, uma pequena ilha na Oceania. Minha colega de classe, quando viu minhas ideias falou o seguinte: olha, não é nacionalista, né? Procurando outros lugares para fazer a estória. Quando ela disse isso confesso que entrei em parafuso e fiquei numa noia tremenda, por isso reorganizei toda a estória. Na época, fiquei preocupada com o que as pessoas iriam achar porque eu tinha escolhido Willis como cenário ao invés de algum lugar do Brasil, e por isso mudei a estória para o Rio.
   Bem, hoje eu não me importo mais com isso, com o que as pessoas vão falar sobre a minha estória se passar em algum lugar diferente do país, porque eu vou aonde a estória me diz que devo ir. Não sou mais refém do que as pessoas vão dizer só porque a ambientação não se passa no Brasil. É certo que muitas pessoas escrevem estórias que se passam em outros lugares, mas, será mesmo que é só por querer, por causa de um sentimento não nacionalista? Porque eu mesmo não fiz por intenção, sempre pesquiso bastante para escrever minhas estórias, até mesmo os romances, e a estória de Cora até aquele momento tinha me levado a Willis. De qualquer forma, a nova versão realmente ficou melhor do que a primeira do assassino em série, e digo com precisão que não me importo mais com isso.
    As pessoas gostam demais de julgar por causa de uma coisa só. É como os ditados japoneses que aprendi por causa da Flor de Cerejeira dizem. Uma determinada ação, para as pessoas, vai te definir, sendo que não é e não pode ser dessa forma. Por exemplo, quando comecei mesmo a escrever FDC não pensei em nada. Confesso que, diferente da maioria dos livros que escrevi, sempre planejando, eu simplesmente comecei a escrever um monte de sentimentos da Yoko e depois de alguns capítulos que decidi ambientar a obra. Sempre gostei da flor de cerejeira e quando procurei no Google lugares com a Cherry Blossom, além do Japão – que eu não conheço nada e tenho certeza que dificultaria mais a minha pesquisa – encontrei Macon e só por isso que a estória se passa lá, porque tem o festival e encontrei vários cenários propícios à estória que tinha em mente.
    Eu sou levada pela estória, não sou eu que levo a estória para onde quero. Os personagens existem e necessitam de uma ambientação e eles me levam para onde desejam. Acredito que as pessoas têm que ter mais cuidado ao falar que autor brasileiro gosta de escrever livros que se passam em outros países. Por exemplo, os três primeiros livros que fiz se passam no Brasil. Efeito Dominó se passa num futuro próximo no Rio. A Unificação é uma distopia que se passa num Brasil dividido. Órfão: O Manuscrito de Vitor Freitas – o terceiro livro que fiz, mas nunca publiquei ainda – é um romance histórico que se passa no Rio nos anos loucos, em 1923. Mas, As Canções Secretas de Gris Dahlia – um romance jovem adulto – se passa em Londres. Ah, mas por quê? Porque eu sempre quis ir a Londres e como não tenho dinheiro para fazer isso ainda decidi viajar no papel e na pesquisa para aprender sobre a cidade. Outro fator é que o livro é muito intrínseco, assim como Histórias em Retalhos, e fala um pouco sobre um momento depressivo que passei, e nele mostro várias canções que escrevi. Não sei se todos sabem, mas eu também canto e toco, mas as minhas composições em geral são todas em inglês. E não tem nada a ver com linguagem ou coisa do tipo, têm a ver com a afinação, músicas em inglês são muito mais fáceis de rimar.
   Enfim, já mudei de assunto sobre Efeito Dominó. Como falei, fiz muitas alterações, desde a capa ao texto. Acredito que escrever em terceira pessoa é uma das coisas mais difíceis ever... e realmente é. Para que a estória flua precisei lapidar bastante e escrever muitas vezes a estória para que o texto melhorasse e não ficasse meio quebrado ou com pausas ou mal elaborado. Sou muito rigorosa comigo mesma nesse aspecto, e exigente também.
    Outra questão. Eu mudei a personalidade de Cora. As pessoas tendem a simpatizar por protagonistas mais maleáveis e inocentes do que com uma pessoa que é mais ríspida e fria. Então, decidi melhorar a índole dela para que ficasse mais aprazível. No início, quando lancei esse livro na Amazon e recebi algumas resenhas, as pessoas diziam: não consegui me apegar a Cora ou antipatizei com ela. Bem, as pessoas não haviam percebido que eu a havia criado daquela maneira, não a tinha feito para ser gostável, como também não fiz Seth para ser gostável. No geral faço personagens diferentes, frios e estranhos porque gosto de fugir da regra. Mas decidi mudar isso e quando finalizei a reforma na estória, percebi que funcionou essa mudança na Cora.
    O último ponto e o bem mais comentado entre as blogueiras que leram a obra: sobre a linguagem. Quero dizer que peguei todas as críticas negativas e positivas que recebi de efeito dominó para poder lapidar a estória e deixa-la mais aprazível possível. Realmente, a linguagem de Efeito Dominó estava difícil e vou explicar o porquê. Em 2013, quando comecei a escrever esse livro, estava viciada em ler o dicionário. Sério mesmo. Andava lendo o Aurélio para cima e para baixo. As mulheres levavam maquiagem e utilidades básicas em suas bolsas. Eu levava o dicionário. Acredito que isso afetou diretamente na estória ao ponto de escrever o livro de modo bastante rebuscado. Eu mesma falo coisas no dia-a-dia que minha mãe e irmãs não entendem e dizem: Alana, fale direito. Traduza. Elas sempre me perguntam alguma palavra por causa desse hábito que eu tinha de ler o dicionário muito.
    Por exemplo, ninguém fala: Ele está me vituperando. As pessoas falam: ele está me afrontando. Era dessa forma que o texto estava. Rebuscado. De qualquer modo, há uma série de palavras difíceis que utilizei no livro e que muitos leitores tiveram dificuldade, então fui lá e corrigi. Porque quando eu lia estava claro na minha cabeça o significado, mas muita gente não entendia e só depois dos comentários, e quando fui reler a estória que percebi o quanto o texto estava rebuscado. Eu poderia fazer uma seleção enorme de palavras que usei para vocês terem uma ideia, mas o post ficaria enorme e não quero isso. Já escrevi demais na verdade.
   Enfim, era somente sobre isso que eu gostaria de conversar, falar sobre essa reformulação que fiz em Efeito Dominó, de dentro para fora literalmente, e que estou lançando-o novamente por causa disso. Como vocês já devem saber, eu sou bem desapegada com essa questão de disponibilizar o PDF para leitura – se tivesse o livro físico dele também, eu tentaria disponibilizar o máximo possível. Se quiserem ler a estória é só pedir nos comentários abaixo que eu enviarei sem problemas. Gosto mais de ter leitores em detrimento a qualquer benefício financeiro.
Enfim, é isso, folks. Por hoje é só.

XO XO
Share with the world:

24 comentários:

  1. Olá
    Adorei poder conferir seu texto, e realmente tenho curiosidade em fazer essa leitura. Já li alguns comentários, desde primeiras impressões, divulgações apenas ou resenhas e despertou muito o meu interesse por conta da premissa. O seu texto conseguiu expor pontos que me deixaram ainda mais curiosa sobre a trama de modo geral, e com certeza gostaria de ter a oportunidade em ler.
    Boas leituras :)
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Alana, realmente a capa nos remete ao suspense ou policial e isso pode atrair ou afastar leitores, mas se a capa te satisfez, acho pertinente mante-la. Quanto a história ter ficado imensa e você ter sentido a necessidade de dividi-la, acredito que seria desnecessário, porque se a trama é boa, o livro poderia ter 1000 páginas e ainda assim, os leitores iam desejar mais. Stephen King está aí pra provar isso.
    Eu particularmente questiono autores nacionais que ambientam seus enredo em espaço internacional, mas cada autor é dono da sua obra e a escreve como quer.
    Achei o post bem esclarecedor.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Alana!
    Essa capa tem mesmo cara de livro policial ou ficção-científica. Eu a achei maravilhosa.
    Bacana a sua evolução para amadurecer todo o enrendo e dar mais vida a história.
    Parece ser um livro interessante.
    Você pretende lançá-lo um dia em modo físico?
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  4. Oie! Tudo bem? Opa agora depois de "Um ano" descubro quem é a Alana kkkk Nossa amei conhecer você pessoalmente (via blog ta valendo u.u) e que você reestruturou o livro por causa das palavras, e pensamos igual em relação ao lucro envolvendo nossas histórias, quero mais que o pessoal conheça meus livros que ganhar dinheiro com eles .-.
    BJss

    ResponderExcluir
  5. Como assim você tem dezessete livros e eu só conheço quatro? Vamos publicando esses livros aí rsrsrsr.
    Fiquei boba com a sua mania de ler dicionários!
    A nova capa de Efeito Dominó ficou linda e eu estou curiosa com as mudanças que você fez na história, uma amiga minha leu o livro há um tempo e ela realmente achou a Cora um pouco chata e difícil de se apegar. Quero ver o quais serão as minhas impressões quando lê-lo agora que o livro foi modificado!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá, a capa esta muito bonita e sim eu imaginei um romance policial e se você não tivesse dito que se trata de algo a mais eu não olharia duas vezes por que não gosto muito do genero!

    bjs jany

    www.leituraentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Olha só não vejo problema quando um livro nacional se passa fora do país, tudo vai como é o enredo e quão bem o autor consegue desenvolver. Já li livros que o autor colocou em outro país e não tinha nem um noção de como realmente é lá e tal. Não digo que precisa ter ido lá, mas pesquisar bastante. Eu escrevia fanfic e nessa época minha vida era pesquisar lugares, olhar mapas dos EUA, pesquisar até o nome da rodovia e restaurantes locais, nunca estive lá, mas queria passar aos meus leitores propriedades. E tem autores que nem isso faz, li um que eu nem conhecendo os EUA sabia que era impossivel algumas coisas que tinha no livro. rsrsrs Mas é a tal da liberdade poetica, né?!
    O problema é que os autores nacionais geralmente alguns autores tem mania de americanizar as coisas. rsrsrsrs
    Fiquei muito curiosa para ler seu livro, acho que vou curtir bastante.

    Bjs,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aahaha, pois é, Thiana. Eu concordo. Tem muitas histórias americanizadas. Mas como disse no post, vou aonde a história me leva. Eu também pesquiso tudo. Tipo, tudo mesmo. Como você fazia com suas fics. Sou bastante exigente e acredito que o leitor é de igual forma, por isso pesquiso.
      Adorei seu comentário. *-*
      Beijin...

      Excluir
  8. Ahhh até entendo que mudar as vezes é preciso, mas de verdade eu gostei muito do jeito que estava.
    Bem, o caso de escritores nacionais que americanizam suas histórias afim de ganhar mais leitores cai muito no meu conceito. É claro que tem alguns que sabem o que estão fazendo ou já moraram fora ou pesquisaram bastante. Livros é fonte de conhecimento e se vc usa um lugar no mínimo os detalhes tem que parecer reais e verdadeiros, sei lá rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aahahah, mas eu precisei corrigir a linguagem que estava bastante rebuscada, antes da versão que você leu o livro estava muito mais difícil. E decidi "ajudar" Cora nesse processo de afeição alheia. *-* Concordo plenamente. Li um livro que se passava na Irlanda - que foi publicado numa editora grande -, mas tava muito mal escrito e elaborado.

      Excluir
  9. Oiee Alana ^^
    Eu gosto de encontrar personagens com personalidades que fogem do "comum", mas não nego que fica mais difícil para me afeiçoar a eles...hehe' estou doida para ler a segunda parte de "Efeito dominó", não sabia que você tinha reescrito o livro tantas vezes. Não imagino a sua frustração...haha'
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helloo, Dryh. Ah, comigo já é diferente. Não ligo de não me afeiçoar a personagens e gosto quando eles são diferentes e fogem do comum. Meus olhos se enchem ehehe. A gente sempre vai evoluindo quanto mais escrever e foi isso que aconteceu. Minhas narrativas estão diferentes e mais fluídas, por isso precisei reescrever ahaha.

      Excluir
  10. Oi.

    Estava interessada em realizar essa leitura depois dos comentários que li em alguns blogs. Adorei esse post. Pude conhecer algumas coisas sobre o livro e sobre as mudanças realizadas. Vou esperar ter um tempinho sobrando para ler seu livro.

    ResponderExcluir
  11. Oi!

    Estou para realizar a leitura e fiquei bem feliz com o post que veio na hora certa. Eu espero muito poder ler e gostar, principalmente da protagonista. Parece mesmo um romance policial, mas sei que vai muito além disso. Em breve te falo o que achei. :)

    bjs!

    ResponderExcluir
  12. Olá, já tenho curiosidade de ler este teu livor, ainda mais agora vendo como foi seu processo criativo da história. Realmente devemos buscar palavras mais fáceis para nossos leitores, já que palavras complicadas podem fazer um leitor mais leigo abandonar a leitura do livro. Adorei este teu romance e ver todo o cuidado que tens com ele.

    ResponderExcluir
  13. Acho que tenho esse mesmo problema que você , o livro que eu estou escrevendo eu começo a reescrever milhões de vezes mas no meu caso ele nunca fica bom o suficiente, a capa é realmente a primeira coisa que chama atenção mas se vc esta satisfeita com ela, isso que importa

    ResponderExcluir
  14. Olá,

    Já estava ansiosa por essa leitura e ao ler essas modificações e inclusões da história me deixou ainda mais empolgada, é bom saber que agora sim você tem ficado satisfeita com esse material e quero muito ler em breve.

    Abraços,
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
  15. Oieee...
    Conheci esse livro através de uma resenha e fiquei ansiosa para ler!
    Adorei saber um pouco mais sobre seu processo de escrita, e achei divertido você andar com um dicionário pra todo canto rs
    Mas foi legal você se atentar a esse lance da linguagem estar muito rebuscada, pois realmente é algo que me incomoda no texto.
    Enfim, a capa está linda, e tenho certeza que com o seu perfeccionismo, o conteúdo também está ótimo!!
    Gostaria de ler, se possível...
    Um beijo!!

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  16. Oi Alana, tudo bem?
    Eu nunca li nada sobre nenhum livro seu e adorei esse texto contando um pouco sobre o processo de criação de Efeito Dominó. Pelo visto você é uma escritora que consegue fazer tramas surpreendentes e esse parece ser um ótimo suspense!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aahaha, Ítalo, obrigada. Fico feliz que tenha gostado do post. *-*

      Excluir
  17. Oi, Alana. Eu não conhecia sua obra, mas entendo sua necessidade de mudar algumas coisas e fazer diferenças. Eu achei bem legal você falar como é seu processo para escrever, até porque pretendo começar uma obra minha e quero dicas, então o post me ajudou perfeitamente!!
    Beijo, https://leitoraencantada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Li esse livro e achei maravilhoso!!!!! Ahei que não falta muita coisa não. Sua escrita instiga e quero ler outros livros seus, com certeza. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas você já leu com as mudanças que fiz, não foi a primeira versão não, que leu.

      Excluir
  19. O nome em si chama a atenção. Por se tratar da linha policial, lidar com essa confusão mental se torna intrigante. Eu simpatizo mais com os vilões do que como mocinhas como a Cora. haha
    Muito bacana a tua postagem.

    ResponderExcluir

 
Designed by Beautifully Chaotic