Autores para dar uma segunda chance #2

Hi, folks... tudo numa nice?!
Eu fiz um post sobre autores para dar uma segunda chance há um monte de tempo e nunca retomei essa coluna, mas visualizando algumas coisas do blog que queria postar decidi dar início novamente porque fiz isso durante esse ano, dar uma segunda chance para autores que não gostei, e acho que é uma boa ideia verificar esses autores que nos desagradaram em alguma obra, mas que podem nos conquistar em outras.
A chegada de um jovem solteiro e rico à vila de Longbourn causa um grande alvoroço na família Bennet, cujas cinco filhas – a bela Jane, a sensata Elizabeth, a culta Mary, a imatura Kitty e a desvairada Lydia – foram criadas com um único propósito na vida: encontrar um bom marido. Orgulho e preconceito, livro que a própria autora considerava “seu filho mais querido”, foi publicado originalmente em 1813, e atravessou os séculos dotado de uma assombrosa vitalidade. 
       Dessa vez eu venho trazer uma escolha no mínimo curiosa sobre uma autora a dar uma segunda chance. É estranho dar uma segunda chance para algo que nunca foi lido, mas é assim que sinto depois de ter assistido ao filme e não curtido nem um pouco. Eu nunca li nada da Jane Austen, e por que não gostei de Orgulho e Preconceito (filme) eu decidi ler outros livros da autores, como Emma e Razão e Sensibilidade. Como estou numa super vibe de ler clássicos eu decidi arriscar assim mesmo e comprar o livro de Orgulho e Preconceito. Espero curtir o suficiente.
O universo expandido das Crônicas de Amor & Ódio com uma aventura apaixonante.
Quando o patriarca do império Ballenger morre, seu filho, Jase, torna-se seu novo líder. Até mesmo os reinos mais próximos se curvam à força dessa família fora da lei, que sempre governou por suas próprias regras. Mas uma nova era surge no horizonte, movimentada por uma jovem rainha, que logo se torna alvo de ressentimentos e ira da dinastia.  Kazi, uma ladra reformada que cresceu nas ruas de Venda e sobreviveu por sua inteligência e agilidade, agora faz parte dos Rahtans, a guarda da rainha, e é enviada por ela para investigar transgressões e violações de tratados vigentes junto a Synové e Wren, outras duas soldadas da guarda real. Quando chega à terra proibida dos Ballenger, um incidente a deixa acorrentada a Jase, trazendo empecilhos ao seu trabalho.
A competição de sagacidade com o jovem líder faz com que eventos inesperados saiam de controle, e o laço entre ambos se estreita conforme eles utilizam falsos argumentos para cumprir suas próprias missões e promessas. A batalha de poder entre Kazi e Jase pode lhes custar a vida — e seus corações.
Neste livro, somos todos testemunhas de um dos maiores talentos de nossa rainha: dar vida a protagonistas empoderadas. Kazi é uma guerreira imbatível e determinada que marca presença por onde passa, seguindo os passos de Lia, a heroína das Crônicas de Amor & Ódio, ao inspirar mulheres a serem donas de seu próprio destino.
Não é segredo aqui o quanto detestei The Kiss of Deception. Sério mesmo. Foi um dos meus livros odiados do ano passado por uma série de fatores que já comentei aqui e que considerei que eram incompatíveis com uma fantasia. Mas aí a Darkside lançou Dance of Thieves e eu decidi que vou conferir, mesmo sem ter terminado os outros livros da trilogia anterior. Não me importo se vai sair spoilers, vou pular Heart of Betrayal e The Beauty of Darkness para conferir esse livro novo. Parece interessante. Acho que o meu problema com a obra da autora foi que eu encontrei um pouco mais de romance do que fantasia e acredito que depois de conferir um livro dela já estou com a mente preparada sabendo o que irei ou não irei encontrar nas obras delas.

Bem, folks, por hoje é só.
XO XO

6 comentários

  1. Oi Alana, tudo bem? Eu tenho um pouco de resistência a dar uma segunda chance a autores quando não gosto da primeira leitura que faço deles. Se eu já conheço a escrita e não gosto de um ou outro livro, não interfere tanto, mas quando é a primeira experiência parece que estraga tudo. Acho super legal dar uma segunda chance, apesar de não conseguir praticar tanto. Sobre Jane Austen, eu também não gostei do filme, mas li o livro esse ano (meu primeiro contato com a escrita da autora) e foi de Orgulho e Preconceito, adorei muito, espero que goste, porque realmente o livro é muito melhor que o filme, acho que a escolha dos atores não foi a melhor.
    Beijos, Adri
    Espiral de Livros

    ResponderExcluir
  2. Olá, Alana.
    Tem autores tipo o Green que já dei até quatro chances mas não consegui gostar hehe. Da Jane eu gostei de Razão e Sensibilidade e não tanto assim de Orgulho e Preconceito. E da outra autora não li nada ainda.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Oi Alana!
    Literalmente falando, pra mim nem tooodo mundo merece uma segunda chance, mas é bom repensar sim, hahahah
    A Jane Austen, por exemplo, até hj só vi o filme do Orgulho (adoro) e li o livro (achei ok). Não sei bem por onde continuar...
    As Crônicas de amor e ódio por enquanto só li o primeiro volume. Pretendo ler o segundo, mas se não melhorar do jeito q espero, vou parar.
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oiii Alana

    Já vi muita gente dizendo que essa nova série da Pearson, Dance of Thieves é bem melhor do que a trilogia anterior. A sinopse é mais bacana e acredito que a autora desenvolveu melhor pelo que vi no Goodreads. Triste ver que As Cronicas de Amor e Ódio desperta tantas criticas negativas de várias pessoas, eu tenho a trilogia aqui....rsrs e me falta coragem de começar a ler.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Acho suuuper válido dar uma segunda chance para Jane Austen! Eu tentei ler esse mesmo livro uma vez e não consegui de jeito nenhum. Aí ano passado eu tentei de novo e amei o livro! :D

    Bjao
    Início de Conversa

    ResponderExcluir
  6. Eu sou louca pra ler Orgulho e Preconceito por conta do filme, que eu acho muito bom. O outro livro não conhecia.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir